quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Eis que uma nova fase surge depois da Síndrome de Burnout!

De um tempo para cá eu não tinha vontade de acordar para trabalhar. Por muitas vezes eu acordava e queria virar para o canto e dormir mais.
As vezes assim o fazia. Dormia e saia atrasada. E sem nenhuma dor na consciência ou preocupada. Ligava meu MP5 e lia um pouco de um livro no caminho.

As vezes eu levantava no primeiro toque do despertador, mas me perguntava porque eu tinha que ir trabalhar naquele dia. Porque aquele horário? Porque naquele lugar? Porque tão longe?
Sempre muitos "Porquês".


Como a história se repetia todos os dias, descobri o que eu tinha lendo em um blog. Tinha a Síndrome de Burnout.
  
Essa síndrome é uma resposta ao estresse ocupacional crônico e caracterizada pela desmotivação, ou desinteresse, mal estar interno ou insatisfação ocupacional que parece afetar, em maior ou menor grau, alguma categoria ou grupo profissional.
   Trata-se de um conjunto de condutas negativas, como por exemplo a deterioração do rendimento, a perda de responsabilidade, atitudes passivo-agressivas com os outros e perda da motivação, onde se relacionariam tanto fatores internos, na forma de valores individuais e traços de personalidade, como fatores externos, na forma das estruturas organizacionais, ocupacionais e grupais.

Essa síndrome possui 4 níveis. Dos 4, me encaixei em 2:
Nível 1 - Falta de vontade, ânimo ou prazer de ir a trabalhar. Dores nas costas, pescoço e coluna. Diante da pergunta o que você tem? normalmente a resposta é "não sei, não me sinto bem".

Nível 2 - Começa a deteriorar o relacionamento com outros. Pode haver uma sensação de perseguição ("todos estão contra mim"), aumenta o absenteísmo e a rotatividade de empregos.



Só, que existem dias que nós refletimos diantes das coisas antes de dormir...E isso foi o que eu fiz antes de dormir em uma noite dessas.
E quando acordei disse:

"Cansei! Vou mudar o que não me agrada mais e o que não me faz bem. Vou ser feliz!"

E foi assim que eu acordei dia 09/11/2009.
Fui trabalhar às 08:00 e às 11:00 já estava em casa.
Eu sai do meu emprego! Porém não pedi conta, pois preciso do dinheiro. De tanto demonstrar que queria sair, naquela manhã cheguei ao meu limite e demonstrei muitaaaaaa má vontade e cara fechada. Ai ele perceberam que continuar comigo, seria chover no molhado.
Já havia dado tudo que precisava dar. O ambiente já não me agradava e meus dias eram cansativos e chatos lá. Por mais que o salário e os benefícios fossem bons.


Você passa mais tempo da sua vida no trabalho do que em qualquer outro lugar. Portanto você deve fazer o que gosta, o que te dá prazer e te faz bem! E não somente o que paga suas contas.

Resolvi ser feliz e trabalhar com o que gosto.


Serei fotógrafa!

Sei que posso quebrar a cara e não dar certo, como de fato experimentei uma vez (claro que nada profissional) e não me rendeu muito, mas juro que serei feliz por todo o tempo que tentei. E não vou me arrepender de nada!


Obrigada Senhor por sempre guiar meus passos e iluminar meus pensamentos e decisões. E mais...por sempre abrir as portas para mim!
   Obrigada por colocar na minha vida uma pessoa tão linda e compreensiva como o Otavio. Que mais uma vez me apoiou, apesar do medo de eu estar arriscando demais.

 Essa postagem foi feita ao som de: Carla Bruni - Quelqu'un m'a dit
Vale a pena ouvir essa música!

4 comentários:

Dina disse...

Adoro vc Carol.
Bjs

☆ Káh.Kau com limão ☆ disse...

tb penso como vc, por isso tô sem trampo e vendo algo que goste, pq tinha o nível 1 dessa síndrome kkk
como diz no filme "jogo de amor em las vegas": "Prefiro não fazer nada e ser feliz do que fazer algo que não gosto."
bjokss miga

Aline disse...

nunca tinha escutado dessa síndrome..
eu também vou ser fotógrafa!

disse...

hahahahh excelente post, adorei!

Postar um comentário

Olá! Fico feliz que tenha vindo visitar meu blog e ficar por dentro dos meus últimos trabalhos e melhor ainda...por vir aqui e comentar!